Centro Social Abel Varzim | Acolhimento – A Causa
15877
page,page-id-15877,page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,ajax_fade,page_not_loaded,boxed, vertical_menu_transparency vertical_menu_transparency_on,,qode-theme-ver-7.7,wpb-js-composer js-comp-ver-4.7.4,vc_responsive
 

Acolhimento: A Causa

A causa

O Centro de Acolhimento Temporário Paula Azevedo surge da necessidade de continuar dar uma resposta especializada à situação preocupante das crianças e dos jovens em perigo em Portugal, procurando constituir-se como uma alternativa no âmbito da Medida de Acolhimento Institucional de Crianças e Jovens, contemplada na Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (Lei 147/99, de 1 de Setembro). Procura desenvolver uma intervenção conjunta com a/o criança/jovem acolhida/o e a sua família, com vista à reunificação familiar em condições que permitam um desenvolvimento mais adequado dos seus elementos.

 

É nossa intenção que durante o período em que decorrer o acolhimento possamos ajudar a definir um projeto de vida viável, e que no mais curto espaço de tempo possível, a criança e/ou o jovem possa voltar a viver no contexto de uma família.

 

É nossa convicção que tudo fazemos para criar as condições que permitam a vivência de relações securizantes, reparadoras da auto-estima e da confiança das crianças e dos jovens.

 

É nossa missão ajudar as crianças e os jovens a (voltar a) sorrir e a acreditar que a felicidade é uma meta que está ao seu alcance.

Criança em perigo

De acordo com a Lei de Proteção de Crianças e Jovens, uma criança está em perigo quando se encontra numa das seguintes situações:

Está abandonada ou vive entregue a si própria;

Sofre maus tratos físicos ou psíquicos ou é ví­tima de abusos sexuais;

Não recebe os cuidados ou a afeição adequados à sua idade e situação pessoal;

É obrigada a atividades ou trabalhos excessivos ou inadequação à sua idade, dignidade e situação pessoal ou prejudiciais à sua formação ou desenvolvimento;

Está sujeita, de forma direta ou indireta, a comportamentos que afetam gravemente a sua segurança ou o seu equilíbrio emocional;

Assume comportamentos ou se entrega a atividades ou consumos que afetam gravemente a sua saúde, segurança, formação, educação ou desenvolvimento sem que os pais, o representante legal ou quem tenha a guarda de facto se lhes oponham de modo adequado para remover essa situação.

Institucionalização

O Acolhimento Institucional de curta duração tem lugar em Centro de Acolhimento Temporário por prazo não superior a seis meses, o qual pode ser prolongado quando se prevê o retorno à família, se procede ao diagnóstico da situação ou à definição do encaminhamento subsequente (Lei 147/99, n. 1, 2 e 3 do artigo 50°).

O Centro de Acolhimento Temporário Paula Azevedo insere-se nesta modalidade de Acolhimento.

SOS criança em perigo

Caso tenha conhecimento de que uma criança e/ou jovem se encontra numa das situações descritas anteriormente, deve contactar de imediato qualquer entidade competente em matéria de infância e juventude (autarquias locais, Segurança Social, escolas, etc.), entidades policiais, Comissão de Proteção de Crianças e Jovens ou as Autoridades Judiciárias.

Como Ajudar
  • Empresas

Apadrinhar uma criança, apadrinhar uma infra-estrutura, donativos em géneros e/ou serviços, benefícios fiscais. Contribua para esta causa.

 

Saiba Mais

 

 

  • Particulares

Ajudar com IRS, donativos pontuais, ser AMIGO, voluntariado: descubra as muitas formas de contribuir connosco.

 

Saiba Mais

Acolhimento: Outras Secções

 

A Causa

 

Sobre a Casa

 

Apoios

 

Colaborar

 

Ser Amigo